Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
Portal Institucional - Back Office
agenda contactos
page background image
Publicado 25/01/2019 às 10:02

Oeiras disponível para assumir competências propostas pelo Governo mas com críticas

 

Isaltino Morais afirma que, na descentralização, “a montanha pariu um rato”


A Câmara Municipal de Oeiras aprovou assumir as atribuições advenientes dos diplomas sectoriais propostos pelo Governo no âmbito da descentralização de competências, mas o presidente da Autarquia, Isaltino Morais, diz que a “a realidade não corresponde ao discurso”.

O Município detém a capacidade e os meios para o exercício das atribuições que se visa cometer, sendo que grande parte delas são já assumidas e prosseguidas pelos serviços.

Isaltino Morais sublinha, na deliberação por si proposta, que o Governo colocou na agenda política uma muito propagada reforma de descentralização de competências que, na verdade, cria “uma nova (e recorrente) sensação de oportunidade perdida”, apesar da importância da matéria.

“Oportunidade perdida pois, no lugar de claramente se proceder a uma reforma descentralizadora, com definições de competências, com o necessário suporte financeiro, o Governo tem-se limitado a transferir para os Municípios as tarefas irritantes, sem competência na definição de linhas estratégicas, isto é de decisão. O que se transfere agora para os Municípios são tão só tarefas como a gestão de edifícios ou de pessoal, sem que se tenha uma palavra na definição de políticas, resumindo-nos ao papel de guichet”, justifica Isaltino Morais.

E acrescenta o autarca: “A montanha pariu um rato, a realidade não corresponde ao discurso. Aliás, muito do previsto já são tarefas que o Município vem realizando: há quantas décadas vimos construindo habitação, esquadras de polícia, quartéis de bombeiros, centros de saúde ou escolas?”.

O presidente da Câmara de Oeiras reconhece ser positivo que o parque habitacional ou as estradas nacionais passem para gestão municipal, mas, lembra: “Há quantos anos o Estado Central despreza a manutenção do parque habitacional que mantém em Oeiras? O mesmo se podendo afirmar a respeito da manutenção das estradas nacionais”.

Oeiras é bom exemplo até porque há mais de 20 anos que o Executivo tem vindo a negociar, sem sucesso, a transferência da gestão do edificado cultural de parte da antiga Estação Agronómica Nacional ou do Convento da Cartuxa para a esfera municipal.

A aceitação de competências propostas pelo Governo é, assim, “um gesto de boa vontade” do Município que admite que haja intenção de, gradualmente, se aprofundar o processo.
notícia
Publicado ontem às 15:26
Lançamento do concurso 'Revive' do Paço Real de Caxias
Realiza-se no dia 22 de abril o lançamento do concurso de concessão do Paço Real de Caxias. Os concursos do programa Revive, visam a valorização de edifícios com elevado valor patrimonial e cultural.
Publicado ontem às 10:52
Assembleias Participativas começam na próxima terça-feira
Realiza-se no próximo dia 23 de abril (terça-feira) na Sociedade de Educação e Recreio ‘Unidos de Leceia’ (SERUL) a primeira Assembleia Participativa.
  • 23 de abril, 2, 9, 16 e 23 de maio
  • Às 21h00
  • Assembleias Participativas - Orçamento Participativo de Oeiras
    O Orçamento Participativo de Oeiras é um mecanismo de promoção da cidadania ativa e de democracia participativa e voluntária que assenta na consulta direta aos cidadãos.
    Publicado 16/04/2019 às 15:49
    Visita Ministro da Administração do Território de Angola
    No dia 12 de abril, o Presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, recebeu uma Delegação da República de Angola, chefiada pelo Ministro da Administração do Território, Dr.º Adão Francisco de Almeida.
    Publicado 16/04/2019 às 09:54
    Município de Oeiras aprova prestação de contas e aplicação do resultado líquido de 2018
    A Câmara Municipal de Oeiras aprovou no dia 15 de abril, os documentos de Prestação de Contas de 2018. O Executivo Municipal aprovou também a aplicação do resultado líquido do exercício referente ao mesmo ano.
    Oeiras disponível para assumir competências propostas pelo Governo mas com críticas